Cinemas (Santo Anastácio - SP)

O primeiro cinema de Santo Anastácio surgiu no final da década de 20, de propriedade de Henrique Nicolino Rinaldi, localizado à Rua Osvaldo Cruz, entre as atuais Ruas Heraldo Maciel Sanchez e Antônio de Souza Barbeiro. Tratava-se de um barracão de madeira. O cinema funcionava aos domingos e lá, também, aconteciam grandes bailes, já que as cadeiras não eram fixas e com isso o salão podia ser utilizado para outros eventos.

Cine Theatro Santa Catharina

















Em 1930, a cidade já possuía um novo cinema, o Cine Theatro Santa Catharina, construído por Luiz Depieri, tendo também como proprietário o Cap. Henrique Nicolino Rinaldi, passando posteriormente para a empresa "Gagliardi & De Pieri", sendo vendido em seguida para Pedro Tacca. O cinema, também, era localizado na Rua Osvaldo Cruz, porém no outro extremo, ou seja, entre as Ruas Costa Manso e João Batista Mendes, local onde funcionou também o Cine Guarani.

Interior do Santa Catharina


















Após a inauguração do Cine Santa Catharina, todas as festas, bailes importantes e cerimônias, passaram a ser realizadas em seu salão, que também tinha suas cadeiras removíveis.

Cinema e salão para bailes












Em outubro de 1933, novamente, nas mãos de Henrique Nicolino Rinaldi, o cinema passou por uma remodelação e reformas, quando foi adquirido um aparelho "vita-fone", para projeção de filmes sonoros, tendo sido na época, trocado o seu nome para Cine Paratodos, tendo mais tarde mudado para Cine Popular.

A empresa dos Irmãos Gonçalves, em abril de 1940, arrenda o prédio do cinema e mais uma vez acontece nova reforma em suas instalações, passando a chamar-se Cine Guarani, quando a direção estava a cargo de Manoel Gonçalves da Silva, chefe da firma Irmãos Gonçalves. A gerência foi entregue a José Mourão e, a supervisão artística, a Jorge Washington de Olivais, médico e literato. Para aquela inauguração, foi apresentado um filme dos - já famosos - comediantes, "O Gordo e o Magro".

Em janeiro de 1948, o cinema foi comprado por Jorge Cury, Jamil Miguel e Massad Feres, quando por um curto espaço de tempo seu nome mudou-se para Cine São Jorge. Em seguida retornou como Cine Guarani, de propriedade de Jorge Cury, nome que perdurou praticamente até os últimos anos, pois em 1987, próximo de ser fechado definitivamente, possuía o nome de Cine Arte.

Fonte de pesquisa: 
Texto do site da Câmara Municipal de Presidente Prudente.

O prefeito reinaugurando o cine Guarani, em 05/02/1948.

Funcionários do cine Guarani, em 05/02/1948.

Cabine de projeção do cine Guarani, em 05/02/1948.

Inauguração da tela CinemaScope - O quarto (direita para a esquerda), Sr. Jorge Cury.

Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.

Arquivo do blog

ACESSE O BLOG INICIAL


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.