Bijou Theatre (São Paulo - SP)

PRIMEIRO LOCAL DA CIDADE DE SÃO PAULO CRIADO, EXCLUSIVAMENTE, PARA EXIBIÇÕES CINEMATOGRÁFICAS.

Inauguração : 16/11/1907 (Jornal "O Comércio de São Paulo")
Exibidores : Francisco Serrador e Antônio Gadotti
Endereço : Rua de São João - Centro
Em funcionamento ? : Não
. O prédio foi demolido em 1914.
Antes, Eden Theatro.

Breve histórico :
Com capacidade para 400 lugares, o Bijou Theatre ficava na então Rua São João - na década seguinte transformada em avenida -, na altura de onde foi erguido posteriormente o Cinema Central, depois, nesse trecho, cruzando com a Avenida São João, passou a Avenida Prestes Maia e hoje se encontra o Vale do Anhangabaú.
O endereço já tinha tradição para o entretenimento. Em 1898, ali funcionava um boliche, que depois virou um teatrinho, o Eden Theatro.


Então os empresários Francisco Serrador e Antônio Gadotti transformaram o espaço para receber, exclusivamente, exibições cinematográficas. Inaugurado em 16/11/1907, o Bijou Theatre contava com 15 ventiladores e um requintado botequim. A trilha sonora dos filmes era garantida pelo acompanhamento de um sexteto. Durante a semana, as sessões ocorriam às 18h30. Aos domingos, às 13h30 e às 19h30. Naquela época, os filmes eram curtos, de pouco mais de 10 minutos. Em média, uma sessão mostrava cinco filmes. A maior parte da produção vinha da Europa - cerca de dois terços do total. O restante era norte-americana.
"A Dama das Camélias", "Macbeth", "Raio de Luz Libertador", "O Fim do Mundo" e "Sevilhasão", alguns dos filmes que estrearam na cidade na tela da Rua São João.
Com o Bijou, Serrador se transformou em um grande empresário do entretenimento. Ele já era um conhecido distribuidor de filmes e exibidor ambulante em São Paulo. Então passa a ser um empresário com diversas filiais, montando uma rede de cinemas - que chegou a ter 35 unidades, em diversas cidades do país.
No início dos anos 1910, o Bijou Theatre ganhou um anexo, o Bijou Salão, dobrando sua capacidade total de público para 800 pessoas. Mesmo com tanto glamour, o fim estava próximo. Com a reforma do Vale do Anhangabaú e da Avenida São João, o Bijou foi condenado pelo progresso. Acabou demolido no fim de 1914.



Francisco Serrador (1872-1941)
O empresário espanhol foi proprietário de hotéis, cassinos, teatros e cinemas em várias cidades do Brasil. Além de São Paulo, morou em Curitiba e no Rio. É considerado o responsável por trazer ao Brasil o hábito de comer cachorro-quente, uma vez que o lanche era vendido em seus cinemas.

Curiosidades : 
Exibiu o "Cinematógrafo Cantante", a partir de 1909. 
Exibiu uma importante fita nacional de grande metragem em 23/09/1912: "1400 contos" ou "O caso dos caixotes", filme nacional de Paulinho Botelho, da fábrica "Brasil Film". 
Em 1914, o prédio foi demolido, para a construção do prédio que abrigava o Cinema Central, que por sua vez foi demolido em 1947. 

O jornal "O Comércio de São Paulo", de 17/11/1907, noticiou :
"Inaugurou-se ontem esta nova casa de espetáculos - o antigo Eden-Theatre - completa e luxuosamente reformado. Realizou-se por essa ocasião, exibição especial do Cinematógrafo Richebourg, para a imprensa e convidados. Em seguida, o empresário Francisco Serrador, que explorará esse gênero de diversões naquele elegante teatrinho, ofereceu a todas pessoas presentes fina mesa de doces"
"Hoje, no Bijou-Theatre, há dois espetáculos por sessões, um a 1 hora e meia da tarde, e outro às 7 e meia da noite".


Principal fonte de pesquisa : 

17/11/1907
18/11/1907

19/11/1907


Nesta foto, vemos um cartaz anunciando, para breve, o filme “O Mistério da Ponte de Notre Dame” (Mystère du pont Notre-Dame, Lê - França - 1912)


Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.

Arquivo do blog

ACESSE O BLOG INICIAL


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.